História

Compartilhe
Primeira Igreja de São Francisco, concluída em 1796

A primeira capela dedicada a São Francisco de Canindé apareceu no tempo em que os portugueses colonizavam os sertões do Ceará e no tempo em que a Coroa Portuguesa concedia terras(Sesmarias), como política de povoamento. A exploração destas terras pelo colonizadores portugueses se deu pela Serra de Baturité, onde moravam os colonos e por lá registravam suas terras. No inverno permaneciam no sertão e no verão retornavam a Baturité, pois possuíam sítios na serra e fazendas nos sertões.

A Construção da antiga capela data do ano de 1775, foi iniciada pelo primeiro donatário das terras de Canindé, entre eles o capitão Antonio Alves Bezerra. Em 1776, foram suspensos os trabalhos da capela, devido à grande seca que então assolou a região. A antiga capela sofreu diferentes transformações de 1775 a 1796, ano em que foi definitivamente concluída. A construção não ocorreu de uma só vez pelos fatores já apresentados e para comprovar havia registro de falhas na simetria e tortuosidade das paredes que deixava claro que a sua construção fora demorada, passando por diversas transformações em épocas diferentes, e que remonta-se à antigüidade do passado século, não podendo ser contestada a data de 1775 que lhe atribuídas a relatos de históricos de pessoas ilustres da época.

O responsável pela construção da primeira capela em devoção Franciscana, Francisco Xavier de Medeiros, viera de Baturité, era cidadão português, filho de um português do mesmo nome. Seu pai era Capitão e ele era Sargento-mor. O mesmo instalou sua fazenda à margem do rio Canindé, eregindo uma capela sob a invocação de São Francisco. Xavier de Medeiros era um homem religioso, pertencia a Ordem Terceira Franciscana, criada por São Francisco para atender aos leigos que queriam seguir o mesmo ideal. Os terceiros franciscanos figuravam também como pioneiros da colonização do Ceará.

Presença franciscana

A propagação do culto franciscano nos sertões do Ceará deve-se aos missionários franciscanos e aos terceiros franciscanos. Destaque para a o fundador de Quixeramobim, Antonio Dias Ferreira, admitido ao habito dos terceiros em 1734, sendo inclusive ministro da fraternidade. Vários missionários religiosos atuaram na região de Canindé em 1758 Frei Manuel de Santa Maria e São Paulo, (em 1759 este religioso celebra Missa e batiza em Campos na casa da Fazenda de Antônio dos Santos e em Renguengue), Frei Bartolomeu dos Remédios entre 1766 e 1770 e Frei José de Santa Clara Monte Falco de 1781 a 1800. Este último foi o grande incentivador da construção da Igreja de São Francisco das Chagas em Canindé.

Quando Xavier de Medeiros começou a construir a capela do Canindé, a região era povoada mais de vaqueiros do que de famílias de fazendeiros. A presença religiosa dependia do Pároco de Fortaleza que enviava padres licenciados para que os moradores participassem dos sacramentos. Os missionários (religiosos) passavam pela região sem tempo planejado. É criada a paróquia a 30 de outubro de 1817 e provisionada a 11 de outubro de 1818, na pessoa do primeiro pároco, Padre Francisco de Paula Barros, Canindé passou a ser regida pelo clero Diocesano até 1898, portanto por oitenta anos. A partir de 22 de janeiro de 1898, à paróquia e o Santuário passaram a ser supervisionados por uma comunidade de frades capuchinhos, atendendo o apelo dos canindeenses de 1796. Os capuchinhos governaram Canindé até domingo de Ramos de 1923, animando a comunidade por 25 anos. Os frades renovaram a vida religiosa da região e estabeleceram toda a infraestruta para a prosperidade da religião em Canindé. Trabalharam incansavelmente e deixaram o Santuário com a suntuosidade que tem atualmente.

A construção da Capela primitiva

A região de Canindé pertencia a Vila de Monte-Mor. E que a Capela dedicada ao Santo Protetor foi construida pelo terceiro franciscano chamado Francisco Xavier de Medeiros que era um seguidor corajoso e já tinha experiência de povoar regiões desconhecidas. Por isso ele resolveu construir a pequena capela. Sobre o assunto o historiador Feitosa faz a seguinte afirmação:

“O sargento-mor português Francisco Xavier de Medeiros, quando chegou a Canindé, fixou  residência à margem do rio do mesmo nome e resolveu construir uma capela dedicada a São Francisco das Chagas. Medeiros não era proprietário do terreno; mesmo assim, tocou a obra de conformidade com suas posses, disposto a compra-lo caso houvesse alguém que declamasse a propriedade. Os proprietários eram três moços que moravam na ribeira do Jaguaribe e, tendo tomado conhecimento de tal construção, embargaram-na por meio de seus representantes. Medeiros escreveu para os mesmos com intuito de comprar uma parte do terreno, para ser doado ao padroeiro, tendo os proprietários se negado a vendê-lo. Um deles adoeceu repentinamente e faleceu em pouco tempo. O segundo teve a mesma sorte, e o terceiro, ao adoecer, fez promessa a São Francisco, ofertando uma légua de terras, possivelmente as do Salgado.”

Xavier de Medeiros não desanimou e vê terminada a capela dedicada a São Francisco das Chagas. Com certeza ele tenha bebido a fé no apostolado dos missionários que atuaram na região de Canindé pois eles andavam pela redondezas e nos locais em que não tinha capela eles celebravam a missa, nas próprias casas.

A importância da Igreja

Assim descreve o escritor Façanha: “Ao inciar o século XIX, já eram tradicionais os festejos do santo franciscano. O povo de Canindé resolve, então enviar uma súplica ao Senado da Câmara da Vila de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, no sentido de que fosse criada uma freguesia local para atender às necessidades do desenvolvimento do povoado.

Entre outras razões, evocava a da distância à sede da capitania; a dificuldade que os cristãos tinham para ouvir o santo sacrifício da missa; que haviam construído uma Igreja que bem se prestava para matriz e que nenhuma outra religião poderia suavizar a vida dura que levavam no sertão, a não ser a do Patriarca de Assis.

Atendendo ao que solicitava o povo de Canindé, a Câmara encaminha devidamente a quem de direito, a justa súplica.”

Elevação da Igreja a condição de Matriz

A cidade tem uma grande manifestação religiosa e atendendo a suplica do povo de Canindé, cativado pela devoção a São Francisco das Chagas, o Bispo de Pernambuco elevar a capela a categoria de Matriz Colada.

Para melhorar a estrutura da Igreja, muitas obras foram realizadas e a antiga Capela construida por Xavier de Medeiros resistiu até 1888, quando começaram novos trabalhos de melhorias que terminaram em 1890, passando a chamar-se Santuário.

Vinte anos depois, o Santuário sofre nova e substancial reforma, os frades capuchinhos fizeram uma grande empreitada mudando a estrutura da igreja radicalmente, os trabalhos duraram cinco anos, de 1910 a 1915. Todos os trabalhos realizados até hoje no Santuário sempre foram numa perspectiva de progresso e que não aconteceram de uma hora para outra.

A influência na Devoção

O fenômeno das peregrinações é explicado conforme a tradição, por três acontecimentos registrados na última etapa da construção da igreja primitiva de Canindé. Nesses fatos, o santo vivo revelou-se misteriosamente aos trabalhadores do templo.

O primeiro episódio refere-se à queda do pedreiro Antonio Maciel, que trabalhava em uma das na torre da Igreja. Ele despendeu-se casualmente de um andaime. Na ocasião do acidente, Francisco Xavier de Medeiros pede ajuda ao Santo, obtendo resposta ao seu clamor, pois naquele vestiginoso trajeto, Maciel ficou preso a uma tábua, pouco abaixo da janela da sineira puxando-o dali os companheiros por meio de uma corda.

O segundo fato segundo os depoentes ocorreu com o próprio construtor da igreja, Medeiros, que, estando sentado em uma cadeira trabalhando um madeiro, foi atingido por uma tesoura (madeira de sustentação do telhado). Isso se deu quando por andamento das obras buscavam subir umas tesouras, o que se fazia por um carretel. Aconteceu de escapulir uma delas e atingir-lhe uma coxa. Todos acreditavam que a perna ficaria esmagada e logo o levaram para a sua residência. Ao chegar a casa, não sentiu dores e continuou o serviço no dia seguinte.

O terceiro acontecimento se deu quando abriram o caixote em que acabara de chegar a escultura de São Francisco de Assis vinda de Lisboa. Ao retirarem a tampa, de dentro da caixa pelou um ratinho branco e nutrido. Estando na ocasião algumas pessoas, tentaram agarrar o pequeno animal e por mais diligências que fizessem não conseguiram. Tendo o rato se escondido debaixo do altar do Santo, parecia confirmar ali a revelação do lugar, na ocasião disse Medeiros: deixem o ratinho, sabem lá que mistério é esse; pois vindo de tão longe não ofendeu a imagem.

A Basílica: espaço sagrado para o romeiro

Fica claro que a Basílica possui em si, a imagem de lugar sagrado para os romeiros e por esse motivo, ela é o primeiro espaço sagrado a ser visitado quando da chegada dos romeiros à cidade de Canindé.

O romeiro que frequenta a Basílica, no período da festa, de 24 de setembro a 04 de outubro, em que há maior fluxo de romeiros, traz consigo o desejo de reencontrar com São Francisco. A Basílica propicia àqueles que em suas localidades exercitam a fé em São Francisco, o reencontro com a fonte dessa fé, pois diante do altar, dentro da Basílica o romeiro toca com suas mãos todo aquele cenário que faz parte de seu referencial.

Para o romeiro, São Francisco em sua Basílica é uma presença viva. É constante durante os festejos vermos romeiros fazerem filas para através da fechadura e dos buracos de uma pequena porta que serve para esconder uma das pias no interior da Basílica. Segundo Soares:

“O olhar que os devotos buscam é estreito, profundo, consolador, que cura a dor e cicratiza as chagas da vida. Por isso, sinalizam o Santo vivo, somente visível àqueles que seguem os mesmos passos na romaira e aludem à vivificação do sagrado como sinal intercessor no convívio e na cultura do povo de Canindé. É a forma que eles encontram para falar de si às estruturas sociais”. (SOARES, 2001, pg 126)



© 2011-2017 - Santuário de São Francisco das Chagas
Praça da Basílica, 31, Centro - Canindé-CE - CEP 62700-000
Fones: (85) 3343-9950 / 3343-0017 - Caixa Postal: D2
Cactal